“O SAAE-Alagoinhas tem solução, é uma empresa forte”, diz o diretor Caio Castro

2106 0
2106 0

O site NewsInfoco ao longo desses últimos meses sofreu uma enxurrada de pedidos para que fizéssemos essa entrevista. O entrevistado desta semana é responsável pelo SAAE (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) de Alagoinhas, autarquia municipal alvo de criticas de grande parte dos moradores da cidade. O nome do nosso entrevistado é Caio de Castro Souza, mais conhecido como Caio Castro, é natural de Alagoinhas, tem 38 anos, estudou quase toda sua vida escolar no Colégio Dínamo. Fez faculdade de administração na UEFS (Universidade Estadual de Feira de Santana), logo após fez mestrado em gestão estratégica na UNEB(Universidade Estadual da Bahia). Na mesma época do mestrado, trabalhou na BRESPEL, lá passou por diversas funções, inclusive a de gestor ambiental da indústria, isso no período em que a empresa buscou se adequar as legislações ambientais vigentes. Caio Castro também atuou como professor universitário na faculdade Santíssimo Sacramento e na Faculdade Albert Einstein, em Cruz das Almas, foi também empresário, dono da franquia Claro na cidade de Alagoinhas e de outras da região. Diante desse valoroso curriculum, no final do ano de 2008, recebeu um convite do prefeito Paulo Cezar para integrar seus quadros após a sua eleição no ano de 2008. No ano de 2009, ele aceita o convite e passa a ser o secretario de planejamento do município, onde ficou por 7 meses. Da SEPLAN, foi convidado a assumir a Controladoria Geral do Município, onde ficou de meados de 2009 ate meados de 2010. Enquanto estava na Controladoria Geral do Município, a secretária de educação foi exonerada e o prefeito Paulo Cezar então pediu para que assumisse interinamente aquela função. Foi para passar 30 dias e ficou 5 anos. Há 8 meses, o prefeito Paulo Cezar o convidou para assumir a direção do SAAE e diante da proposta do governo de melhorar a qualidade dos serviços do SAAE, topa essa empreitada, enfrentando os desafios que são colocados, melhorando a capacidade de gestão da empresa, otimizando os recursos, tendo uma relação transparente com a sociedade. Esse é um breve resumo do diretor do SAAE de Alagoinhas, Caio Castro, que é o nosso entrevistado desta semana. Entre as questões respondidas por ele, estão: a crise do SAAE, a instalação de uma CPI pela Câmara de Vereadores, as dificuldades financeiras e o trabalho desenvolvido para se solucionar todas as dificuldades. A partir de agora você acompanha o resultado desta entrevista:

Newsinfoco: Quando o senhor assumiu o SAAE, em termos de finanças, infraestrutura… Como o encontrou?

Caio Castro: O SAAE, quando cheguei, tinha um déficit financeiro significativo, principalmente relativo ao fornecimento de energia, a Coelba; existe um débito de mais de 4 milhões de reais que está em fase de negociação com a empresa, outros fornecedores também tínhamos problemas, mas estamos resolvendo as pendências. Encontrei um quadro de servidores qualificados, mas de certa forma desmotivado, em virtude dessas denúncias, da exposição negativa como o nome da empresa está na sociedade, na mídia. Então, nos vimos nesse tempo, fazendo um trabalho de recuperação dessa imagem, de melhorias da autoestima do servidor, para que ele possa sempre estar prestando um serviço de qualidade. Encontramos equipamentos, um parque tecnológico, relativamente obsoleto, então há uma necessidade de investimento, de aporte financeiro maior da prefeitura para que a gente possa ter uma tranquilidade maior, principalmente nos meses de verão, onde o consumo de água é maior. Agora é preciso salientar que desde abril paramos de ter reclamação por falta de água na sede do município, é claro que às vezes tem problemas em pontos específicos, queima uma bomba em um poço independente ou há um problema elétrico e isso gera algum transtorno, mas são questões pontuais. O importante é que falta de água mesmo, dentro do município, já não ouvimos falar a uns dois meses. Mas estamos alerta para poder incrementar as melhorias necessárias, já adquirimos diversas bombas, fizemos reformas de outras e não só no quesito de equipamentos para o abastecimento, como também para o tratamento de esgotos e efluentes. Estamos agora finalizando uma licitação para reformar todas as estações de tratamento de afluentes, inclusive isso vem sendo acompanhado pelo Ministério Público que tem nos cobrado muito em relação a isso. Estamos também dando continuidade às obras do PAC que estavam paralisadas para que possamos finalizar de uma vez por todas o PAC 1 que vem se arrastando desde 2007 e o PAC 2 que vem se arrastando desde 2011.

Newsinfoco: Quem foi ou quem foram os responsáveis pela crise do SAAE? Quais os motivos que levaram o SAAE a chegar nessa situação preocupante?

Caio Castro: Eu não tive tempo de fazer uma análise do passado do SAAE, pois a situação exigia uma ação com as vistas para o futuro, então eu não pude fazer uma análise de dados, de contas, inclusive a CPI está ai para fazer esse papel. O que nós percebemos de cara é uma capacidade de arrecadação que está subdimensionada. O SAAE, hoje, teria tranquilamente, com o número de clientes que tem cadastrado no município, estar arrecadando 30% a mais do que arrecada, isso já permitiria à empresa uma capacidade de investimento bem mais significativa. Então, quando se permite a implantação de novas residências, de novos bairros, sem ter um trabalho comercial de cadastramento, de implantação de hidrômetros, de cobrança efetiva desse consumo, acaba que por deixar a empresa sem capacidade de investimento. Esse é um dos fatores primordiais, ao longo do tempo deixaram-se de lado as ações comerciais efetivas, que poderiam dar ao SAAE, hoje, uma sustentabilidade para não depender de prefeitura, para que a gente pudesse ter um recurso a mais do que o que tem para ser reinvestido na manutenção do parque tecnológico, na perfuração de novos poços, na ampliação dos sistemas. Alagoinhas passou por um “boom” de crescimento muito grande, graças à ação do prefeito Paulo Cezar, atraindo investimentos industriais, comerciais e trazendo muitas residências, o que promoveu uma movimentação imobiliária na cidade. Então, muitas pessoas passaram a residir em novos bairros e esse incremento de residências deveria vir acompanhando também do incremento de abastecimento. O percebemos, hoje, é que já existe um acompanhamento na nossa gestão muito criterioso na entrega de residências de novos conjuntos, para que haja o abastecimento garantido, tratamento da água garantido, um poço independente garantido, assim como também o tratamento dos efluentes. Talvez tenha faltado isso em outras gestões, o que permitiu que houvesse uma expansão de consumidores, sem um acompanhamento comercial devido. Então se supõe que houve isenção de taxas, isenção de faturas, falta de leitura, falta de hidrômetros. Nós já instalamos mais de 4 mil hidrômetros nesses últimos 8 meses e nas nossas contas restam mais de 6 mil a serem instalados dentro do que temos hoje de consumidores cadastrados. Então, é um investimento que precisa ser feito, nós estamos fazendo isso de forma paulatina, são 500 hidrômetros por mês que estamos colocando, praticamente, para garantir essa possibilidade de incremento na receita, para dar ao SAAE a capacidade de sustentabilidade, para que não precise de nenhum outro órgão para sobreviver.

Newsinfoco: Com relação a CPI do SAAE, o que o senhor tem a dizer?

Caio Castro: Depende do objetivo que a CPI quer alcançar. Lamentamos que isso aconteça às vésperas de um processo eleitoral, pois isso se torna mais um instrumento politico, do que efetivamente uma CPI que venha a colaborar. Estaremos à disposição para fornecer todas as informações necessárias, não somos contrários a CPI, agora que ela venha para trazer horizontes, pois se existem caminhos a serem seguidos pelo SAAE, precisam ser compartilhados com a sociedade. Não vai ser a ideia apenas do gestor geral que vai prevalecer, espero que a CPI venha a apontar os erros para que a gente possa evitar que eles aconteçam e apresentar caminhos a serem seguidos. No mais, evitar que o uso da CPI como instrumento político aconteça, porque isso desgasta ainda mais a imagem da empresa, prejudica os servidores, atrapalha o andamento dos trabalhos, mas eu acredito que a Câmara de Vereadores vai ter a responsabilidade necessária para permitir que essa condução seja feita de forma responsável e que venha a trazer realmente a apresentação de uma relatoria final que nos auxilie na melhoria da gestão da empresa.

Newsinfoco: Os vereadores da oposição antes de iniciarem essa CPI, chegaram a pedir um relatório com os dados da empresa, os dados da gestão do SAAE para saberem onde houve ilicitude?

Caio Castro: Para mim não. Tenho informações que alguns vereadores pediram antes da minha gestão e que não foram atendidos. Os pedidos de informações que vieram do vereador Radiovaldo Costa foram sim todos atendidos, todas as informações que ele solicitou. Infelizmente, o que nós lamentamos é o seguinte: os vereadores estão pelo segundo ano consecutivo tendo direito às emendas no governo Paulo Cezar, que é uma inovação inclusive, e o que lamentamos é que a única emenda que foi destinada para o SAAE foi a do vereador Radiovaldo para implementação do sistema de abastecimento de um conjunto que está sendo construído, mas nenhum outro vereador se preocupou em destinar emendas para extensão de rede, esgotamento sanitário, compra de material para o SAAE e não cansam de acusar a autarquia de estar sucateada. Então, acho que deveriam não apenas estar preocupados de fazer a CPI, mas também mobilizar vereadores, o poder público executivo, prefeito e os deputados também para ajudarem o SAAE a sair da situação em que se encontra. Nós não tivemos, até o momento, nenhum auxilio do governo do Estado, de emendas, e eu queria deixar isso registrado, pois já que todos querem o bem do SAAE, que todos trabalhem em prol desse objetivo.

Newsinfoco: Quando questionados, os vereadores da oposição dizem que precisam da CPI para apontar soluções para autarquia. O senhor, pelo tempo que aqui está, já tem uma solução para o SAAE?

Caio Castro: A solução para o SAAE, ela passa por diversas frentes, temos uma noção do que é preciso. Sabemos que é preciso ampliar a capacidade de captação de água com a perfuração de novos poços, pois tem poços que já estão maduros, com a capacidade de captação comprometida. Sabemos que é necessário investimento na reformulação no modelo de distribuição dessa água no município. Hoje pagamos caro por energia, porque temos um modelo de praticamente 90% que é bombeado, então não se usa mais os tanques de armazenamento e distribuição por gravidade. Sabemos que precisa se ter uma quantidade de equipamentos em estoque mínimo na empresa, como tubulações, bombas, que permitam um atendimento ágil para situações como vazamento, substituição de equipamentos, renovação desse parque tecnológico, investimentos também para aquisição de hidrômetros, melhorias na capacitação de pessoal que trabalha na área comercial, o pessoal que faz toda parte de faturamento, dentre outros. Então, nós temos um caminho para ser traçado, isso já está sendo buscado, mas, é claro, que para isso ser obtido são necessários vultosos investimentos. Então, se formos aguardar que o SAAE se recupere financeiramente para fazer esses investimentos, vai demorar mais do que se houver uma comoção politica, daqueles agentes que podem interferir, porque o governo do Estado pode perfurar poço. Existem comunidades rurais em Alagoinhas que ainda não tem abastecimento de água! Existe algum pedido de algum deputado para beneficiar essas comunidades?! O governo do Estado tem tecnologia e tem recursos para fazer isso. A câmara de vereadores, como falei, tem as emendas que podem ser colocadas no orçamento, que pode ser destinada para melhoria de equipamentos de abastecimento, de extensão de rede, de esgotamento sanitário, mas, se depender somente da ação comercial do SAAE, da arrecadação, do incremento dela, vai demorar mais tempo para ter uma condição melhor de gestão dos recursos de distribuição de agua e tratamento de esgoto no nosso município.

Newsinfoco: Nesse caso, não seria necessário uma CPI para apontar soluções, o que falta é investimento? A CPI é apenas para se apontar possíveis culpados…

Caio Castro: As soluções existem, o que falta é investimento. Acho que o que a CPÍ quer identificar o que levou o SAAE a estar nessa situação. Então, se eles vão identificar o que levou o SAAE a estar nessa situação, é questão que compete a capacidade dos vereadores de analisar dados. O TCM vem aprovando as contas do SAAE nos últimos anos. Eu não posso dizer se isto é positivo ou negativo, porque não fiz trabalho de auditoria. O que posso lhe dizer é que nesses 8 meses que estamos aqui, estamos tranquilos em fornecer todos os dados. Melhoramos as licitações, implementamos o sistema de registro de preços, algo inédito no município, adquirimos contratos com equipamentos de fornecedores de serviços bastante vantajosos em relação a preço, diante de processos licitatórios bem feitos, ou seja, estamos cuidando do que nos compete nos últimos 8 meses, não posso consertar ou avaliar o que passou.

Newsinfoco: O senhor já conversou com os vereadores sobre essa necessidade de investimentos que o SAAE precisa?

Caio Castro: Eu não tive como conversar individualmente com cada vereador, pois as emendas deles já estão definidas para esse ano, mas na audiência pública que houve a comoção para assinatura dessa CPI, eu citei esse fato, coloquei as dificuldades que o SAAE enfrenta e que precisaria contar com o apoio de todos, não só apontar o dedo onde estão os erros, mas também para se envolver nos processos de melhoria, para trazer sugestões, opiniões que possam melhorar o serviço e para permitir que a gente tenha uma empresa, que é um orgulho de nossa cidade, sustentável e que não haja risco de passar pra as mãos da Embasa ou privatizar num futuro breve, que é a solução que muitos querem.

Newsinfoco: O que o prefeito Paulo Cezar disse sobre o aporte financeiro que o SAAE precisa?

Caio Castro: O prefeito nos prometeu desde nossa vinda para cá, inclusive foi um dos aspectos que nos convenceu a vir, que estaria disposto a investir na empresa, infelizmente nós encontramos resistência para repasses ao SAAE ao longo desses anos em virtude de dificuldades apresentadas pelo Secretario da Fazenda, tanto o anterior que era o Renato Almeida, quanto o atual Reginaldo Paiva. Agora, estão cumprindo com o pagamento das contrapartidas e reajustes dos contratos do PAC, que era uma das questões muito importantes de se frisar, pois as obras estão em andamento hoje em virtude desses pagamentos e nós acreditamos que o prefeito tem a sensibilidade de perceber que o SAAE é uma autarquia importante para o município e que precisa desse investimento.

Newsinfoco: O senhor é um gestor muito bem avaliado. O senhor tem alguma pretensão politica à curto, médio ou longo prazo?

Caio Castro: Quem está no poder público, exercendo função política, não deixa de ter pretensão, porque, além de profissional na área pública, eu sou filho de Alagoinhas, quero o bem da minha cidade, quero ver as coisas aconteceram aqui da melhor forma possível, mas acho que á curto prazo não está nos meus objetivos.

Newsinfoco: Agora o senhor pode ficar a vontade para deixar uma mensagem para o povo de Alagoinhas

Caio Castro: A mensagem que deixo é que precisamos ser perseverantes. O SAAE tem solução, é uma empresa forte, tem um quadro de servidores preparados, pessoas que são dedicadas ao trabalho, que viram a madrugada para executar serviços, para melhorar a condição de vida da população. Deixamos uma mensagem de otimismo, de que precisamos melhorar a condição de atendimento, temos noção disso, vamos fazer um esforço muito grande para que isso aconteça, estamos cuidando da empresa com muito afinco, evitando desperdícios, evitando que não haja nenhum tipo de ação danosa às finanças e à gestão administrativa da instituição e que o poder público geral: prefeitura, deputados, vereadores possam unir esforços para que possam salvar essa grande autarquia de nossa cidade. Obrigado Newsinfoco pela entrevista.

 

 

Compartilhe
In this article

Join the Conversation

+
+