A cultura do Recôncavo Baiano

40 0
40 0

“A cultura expressa a grande diversidade étnico-racial do Recôncavo, lugar onde o Brasil nasce e se forja com uma conjugação de povos e culturas, dominações socioeconômicas e culturais, gerando um ambiente onde a dor, a saudade, o trabalho árduo, a esperança e a fé tornam-se ingredientes e condimentos que elaboram a vida e a temperam com cores sabores, sons, texturas, formas e aromas tramadas nas culinárias, manifestações religiosas, festas populares, celebrações do trabalho, da fartura e da natureza, lutas e enfrentamentos, traduzidas nas simbologias diversas que hoje constituem a grande riqueza dos povos e do território do Recôncavo”. 

Localização

Recôncavo baiano é a região geográfica localizada em torno da Baía de Todos-os-Santos, abrangendo não só o litoral, mas também toda a região do interior circundante à Baía.

Geograficamente, o Recôncavo inclui a Região Metropolitana de Salvador, onde está a capital do estado da Bahia, Salvador, e outras cidades circundantes à Baía de Todos os Santos, entre elas, as de maior representatividade histórica e econômica são: Santo Antônio de Jesus, Candeias, São Francisco do Conde, Madre de Deus, Santo Amaro, Cachoeira, São Félix, Maragojipe e Cruz das Almas. Entretanto, o termo Recôncavo é constantemente utilizado para referir-se às cidades próximas à Baía de Todos os Santos, limitando-se ao interior, ou seja, excetuando-se a capital do estado, Salvador.

Cultura: legado africano

No Recôncavo encontramos uma grande diversidade de atividades religiosas, artesanais, artísticas e de sabedorias ancestrais, que embora sofrendo ameaças de “folclorizaçao”, são expressivas na pluralidade étnica dessa região. Percebem-se aqui a marca dos mais variados aspectos culturais, presentes na arquitetura, língua, nas artes, destacando-se as danças africanas e a capoeira. Na culinária, as influências dos antepassados deixaram de herança deliciosos pratos, como o acarajé, vatapá, e o beiju.

As festas que mais se destacam são o São João, realizado em vários municípios da região, e o Carnaval de trios elétricos, realizado na cidade de Salvador, e o de Mascarados em Maragogipe e Cabaceiras do Paraguaçu, entre outros. O Samba de Roda é um exemplo da preservação da cultura africana, ligado ao culto dos orixás e caboclos, trazendo fortes características da cultura portuguesa, que é encontrada nos instrumentos, no caso na viola, no pandeiro e na língua utilizada nas canções.

Ainda relacionado às danças do Recôncavo, podemos destacar o Maculelê, que acontece todo dia 2 de fevereiro e tem seu grande destaque em Santo Amaro da Purificação e Cachoeira.  Sua origem é contestada por vários estudiosos, alguns afirmam se tratar de uma dança indígena, outros de luta negra. Já o Grupo de Bonecos da Casa da Cultura Américo Simasé um representativo da cultura local e nacional. Além disso, é relevante mencionarmos o Bumba- meu-boi, Burrinha, Mandús etc.

Outras manifestações como a capoeira, candomblé, irmandades religiosas, a exemplo da Boa Morte em Cachoeira, revelam o forte sincretismo religioso existente no Brasil, no qual cultos católicos são unidos aos de religiões africana, muito naturalmente. A Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte está entre as confrarias mais antigas do país. Surgiu nas primeiras décadas do século XIX, possivelmente por volta de 1820, na Igreja da Barroquinha, em Salvador, de onde, anos mais tarde migrou para Cachoeira, respondendo, atualmente, pelo endereço Rua 13 de maio.  Sua dinâmica que perpassou séculos e gerações e ainda está em atividade, também pode ser compreendida como um rico legado cultural, uma vez que transmite às novas gerações parte  de  seus  conhecimentos,  história,  tradição  e  costumes, sendo um elemento identitário mantenedor da memória coletiva.

Não podemos deixar de abordar aqui a importância do São João este comemorado em toda região Nordeste. Considerada a festa que divide o ano, tem seus festejos realizados intensamente na Bahia e no Recôncavo. É uma grande manifestação cultural e ocorre em muitas cidades do estado, seus festejos recebem maior importância nas cidades de Cruz das Almas e Santo Antonio de Jesus, que lideram as comemorações, trazendo para esta celebração turistas da Bahia e do Brasil. As cidades oferecem como atrativo vários dias de festa, shows de artistas famosos, quadrilhas, comidas típicas do período, queima de fogueira, e, em Cruz das Almas, acontece a famosa Guerra de Espadas. Também conhecida em todo país, nesse período, atrai a mídia nacional para fazer a cobertura da brincadeira entre os visitantes e os moradores da cidade.

Algumas manifestações que se encontravam um pouco esquecidas, estão recebendo uma atenção especial por parte dos moradores. O desejo de reviver antigas festas e eventos para relembrar moradores ilustres, enriquece ainda mais a cultura do Recôncavo. Apresentamos, como exemplo, a homenagem ao poeta e escritor Castro Alves que ocorre em Cabeceiras do Paraguaçú, o evento denomina-se: Castro Alves: o filho de Cabaceiras para todo o Brasil. A celebração relembra para as antigas e as novas gerações suas obras e sua luta contra o sistema escravista.  Na cidade de Castro Alves foi criada a Fanfarra do Colégio Estadual de Castro Alves (FANCEP), fundada em 2006 e conhecida em todo o Recôncavo.

Fonte:Evooafrica
Compartilhe
In this article

Join the Conversation

+
+