Professores municipais de Inhambupe lotam sessão da Câmara e projeto de lei que promove cortes nos salários é retirado novamente da pauta de votação

0
Professores municipais de Inhambupe lotam sessão da Câmara

A sessão da Câmara de Vereadores de Inhambupe desta terça-feira(15) foi marcada pela grande presença dos professores municipais, que literalmente tomaram conta do espaço.

Ontem o site News Infoco havia publicado uma matéria em que revelava a intenção da gestão Nena em colocar em pauta na sessão de hoje o projeto de lei que promove cortes nos salários dos professores municipais. E assim aconteceria, se não fosse a pressão popular, que mais uma vez fez com que a prefeitura recuasse.

A matéria publicada pelo News Infoco teve grande repercussão na região e mais uma vez mobilizou a classe contra aquilo que eles mesmos denominam de “projeto de lei perverso”.

Noticias dos bastidores da politica inhambupense dão conta que notando a grande repercussão da matéria do News Infoco e sabendo das intenções dos professores de irem à sessão da Câmara afim de pressionar os vereadores, o prefeito Nena tentou sua última cartada para aprovação do projeto de lei. Ele determinou que contratados da prefeitura fossem até a Casa Legislativa para fazerem coro à aprovação do projeto. O preço pela desobediência seria a demissão.

Os contratados foram em massa para a sessão, porém chegando lá não havia mais espaço para permanecerem, os professores lotaram o local. Teve então um principio de tumulto, mas os contratados tiveram que se retirar. Sentindo que os vereadores não teriam coragem de votar um projeto tão impopular, o prefeito Nena decidiu pedir ao presidente da Câmara que retirasse o projeto da pauta do dia.

“Mais um capítulo foi escrito hoje no que concerne a luta dos professores de Inhambupe contra um projeto de Lei pernicioso que a prefeitura luta para que a Câmara Municipal aprove.”, disse um educador de Inhambupe ao site News Infoco.

O prefeito Nena, segundo relato de professores, prometeu retomar as negociações com a classe.

Por Caio Pimenta para o News Infoco

Deixe seu comentário

Digite seu comentário
Por favor digite seu nome aqui